O Facebook ficou de fora da Web Summit 2018. A maior rede social do planeta tem estado presente nos últimos anos – o ano passado esteve, por exemplo, Stan Chudnovsky, responsável pelo Messenger. Em anos anteriores esteve sempre alguém presente, às vezes mais do que uma pessoa.

O ano passado, curiosamente, também esteve Brad Parscale, da Cambridge Analytica, a explicar como foi director digital da campanha de Donald Trump e o ajudou a ganhar a presidência. Uns meses depois espalhou-se o escândalo que revelou como a empresa britânica usou o Facebook para obter de forma manipulativa e enganadora dados pessoais de vários milhões de utilizadores espalhados pelo mundo. Foi assim que fez direcionar na perfeição o público americano para Donald Trump, usando data targetting (utilização dos dados para direcionar a mensagem a um público específico).

Este ano, na sequência do escândalo, esteve um dos denunciadores do caso. Christopher Wylie, além do cabelo cor de rosa, não teve papas na língua: “O Facebook autorizou isto [a utilização de dados para influenciar a campanha], sabiam exatamente aquilo que estava a acontecer”, assegura Wylie. “Eles sabiam disto desde o início e não fizeram nada”.

Convite recusado por falta de preparação

A ausência do Facebook pode muito bem estar relacionada com a presença de Wylie no evento. A Web Summit admitiu ao Dinheiro Vivo / DN Insider que houve um orador do Facebook previsto este ano, “mas ele teve de sair da lista no último minuto já que tem um cargo novo”.

Contatámos o Facebook através da sua presença em Portugal mas até ao momento não foi possível obter esclarecimentos sobre o tema. A rede social tem estado sob fogo nos últimos meses, não só por alguns escândalos relacionados com a privacidade dos utilizadores posta em causa, mas também com a saída de alguns quadros de topo, do criador da marca de realidade virtual, aos fundadores e responsáveis do Instagram (ambas empresas pertencem ao Facebook).

Este ano ficou de fora, resta saber se no próximo ano as águas estarão mais calmas para a empresa de Mark Zuckerberg e a rede social vai voltar à Web Summit.

Publicidade