“No dia a seguir [ao anúncio dos resultados] das eleições na Guiné-Bissau, telefonei para marcar uma visita imediata”, explicou Augusto Santos Silva, durante uma audição pela comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

O chefe da diplomacia portuguesa adiantou que a sua deslocação à Guiné-Bissau decorrerá “entre os dias 25 e 27 deste mês” e terá como objetivo “retomar os programas de cooperação”.

Santos Silva comentou que a cooperação com a Guiné-Bissau “esteve nos mínimos durante muito tempo”.

As legislativas decorreram na Guiné-Bissau em 10 de abril, mas o Presidente da República, José Mário Vaz, só indigitou Aristides Gomes como primeiro-ministro quase quatro meses mais tarde e depois de ter recusado nomear para o cargo Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde), vencedor das eleições.

O novo Governo foi nomeado a 03 de julho, quase quatro meses depois das eleições legislativas, e no último dia do prazo dado pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Publicidade