“Não vale a pena nós estarmos a referir a construção de um determinado porto em montantes de 200 a 300 milhões de dólares [de 180,5 milhões a 270,7 milhões de euros] porque depois não há dinheiro para o construir”, disse António Aguiar, conselheiro do Ministério das Obras Públicas, Infraestruturas e Recursos Naturais e Ambiente.

O executivo do primeiro-ministro Jorge Bom Jesus, que lançou hoje o concurso público internacional, disse ter “vivido fracassos ao longo desses anos nas tentativas” que o Governo tem feito para a construção de um porto em águas profundas.

“A nossa abordagem é diferente, na medida em que nós dizemos aos operadores futuros que nos façam uma proposta que pode incluir porto de pesca, porto multiusos, porto de contentores. Portanto nós queremos um projeto que seja de multiusos e que, na perspetiva de quem o apresentou, seja suficientemente rentável para que ele possa meter o seu dinheiro”, afirmou António Aguiar.

Segundo o executivo de São Tomé e Príncipe, o proponente pode optar pela construção de um porto de pesca, terminais marítimos e de passageiros ou várias outras atividades.

As propostas podem ser apresentadas até 20 de janeiro de 2020 e serão abertas em sessão pública.

O ministro das Obras Públicas, Infraestruturas e Recursos Naturais garantiu que o projeto “é fundamental para o desenvolvimento almejado de São Tomé e Príncipe, enquanto um arquipélago”.

“Este Governo coloca neste projeto toda a sua dinâmica e tudo será disponibilizado para que nós possamos concretizar este projeto”, salientou Osvaldo Abreu.

O governante manifestou “toda a abertura e disponibilidade para trabalhar com todos” que queiram trilhar o caminho para São Tomé e Príncipe “contar com uma infraestrutura portuária digna”.

Osvaldo Abreu disse que o seu Governo já recebeu “várias propostas” de parceiros interessados, mas o executivo tem sido “muito cauteloso”, por causa dos “fracassos vividos” nos anos anteriores “na concretização deste projeto”.

O executivo do ex-primeiro-ministro Patrice Trovoada anunciou, em finais de 2017, que teria negociado com a China a construção de um porto pesqueiro avaliado em mais de 80 milhões de dólares.

Publicidade