São Vicente: Cabo Verde FashionWeek encerra sob signo de “vitória” apesar da “ausência de apoios financeiros”

0

A 5ª edição do Cabo Verde FashionWeek despediu-se da cidade do Mindelo no último domingo sob uma “boa avaliação” dos organizadores, que descortinaram “vitória” no evento que “atingiu os seus objectivos”, não obstante o “fracasso de apoios financeiros”.

Cabo Verde FashionWeek 2019 (CFW), evento internacional de moda, encerrou em pleno pôr-do-sol na praia da Laginha, no Mindelo.

Dezenas de pessoas assistiram ao desfile da artesã cabo-verdiana Maria de Lurdes, com uma colecção em croché, da linha de fatos de banho de Elisa Monteiro (ex-emigrante da Itália). De Angola chegou Adelino Fernandes, com um conceito de conjuntos “mais extravagantes”.

O director da Ilhéu Fashion, Hernâni Moreira, empresa organizadora do Cabo Verde FashionWeek, que falava à Inforpress no final da noite de domingo, após o encerramento, fez uma “boa avaliação”, e garantiu que “atingiu-se os objectivos delineados” para o, que recebeu dez criadores e um leque de 30 modelos.

“Registamos melhorias, conseguimos trazer criadores espectaculares, mais moda e sobretudo da cabo-verdiana, pois sempre tivemos um problema em ter criadores cabo-verdianos, o que já não aconteceu nesta edição porque marcaram presença com muita qualidade e isto é uma grande vitória”, avaliou, Hernâni, que disse acreditar que, “não obstante a falta de apoio de parceiros”, vai continuar a aposta na moda.

“Do ponto de vista financeiro foi um fracasso, mas tendo em conta a criação deste conceito foi uma vitória. Mesmo com esta falta de apoios que foram poucos, conseguimos realizar este evento”, disse, Hernâni que espera que para o próximo ano o maior parceiro da CFW sejam as instituições do Estado.

Outros “resultados concretos” do certame, segundo Hernâni Moreira, passam pela constatação de “mais formação e treino” dos jovens que já encaram a moda “de forma diferente, com mais profissionalismo”.

A mesma fonte pediu, por isso, aos jovens para se dedicarem e “procurarem apreender o que está por detrás da moda”.

A título de exemplo, Hernâni Almeida referiu dois contratos internacionais a duas jovens, que saíram do ano passado do CFW, para a moda internacional, fruto da parceira com a agência Karacter.

Exemplificou ainda com o jovem modelo cabo-verdiano Anilton Cabral, convidado para a CFW, que realizou há poucos meses o sonho de pisar uma passarela internacional, no desfile do estilista do Nuno Gama, na moda Lisboa (Portugal).

“Já vi que há aqui muita qualidade em alguns jovens, que vão ter que limar, trabalhar com disciplina para que possamos encontrar um contrato em algum ponto do globo para eles. É importante começar a construir uma carreira internacional e vamos trabalhar para isso”, conclui.

A 5ª edição do Cabo Verde FashionWeek decorreu sob o lema “Um sonho, a realidade, o amor e carinho”.

Publicidade