A professora universitária Maria Santos Trigueiros lançou esta sexta-feira, no Centro Cultural do Mindelo, o livro “Educação, Multiculturalismo e Diversidade Cultural: Um olhar sobre Cabo Verde”, obra resultante da sua tese de doutoramento na Universidade Aberta.

Em declarações à Inforpress, a autora do livro explicou que a obra traz uma temática que, embora seja um fenómeno mundial, ainda está no seu início.

Maria Santos Trigueiros lembrou que, em pleno século XXI, e no mundo globalizado, a educação multicultural ainda está “num território por desbravar.”

“No mundo de hoje, todas são sociedades tornaram-se multicoloridas, com muitas etnias e muitas culturas e muita diversidade. E se as sociedades passaram a ser tão multiculturais e diversas, então, é importante que a educação também passe a olhar para os seus ambientes de aprendizagem de uma forma diferente e dar uma atenção diferente,” enfatizou a professora universitária.

Segundo a docente, se no passado pensava-se que os alunos numa sala de aula eram “todos iguais, que aprendiam da mesma forma e que as abordagens eram iguais”, hoje em dia o “cenário é completamente diferente.”

Isto porque, sustentou, há que ter em conta a realidade do mundo globalizado e levar em conta os ambientes de aprendizagem “multiculturais e diversas” que existem.

É neste sentido, acrescentou, que a sua pesquisa para a tese de doutoramento, na Universidade Aberta, se enveredou para a formação de professores para ambientes de aprendizagem multiculturais e diversos, lançando um olhar sobre Cabo Verde.

“Procuro trazer algum contributo aos professores de hoje e do futuro, sobre alguns dos procedimentos, estratégias, técnicas necessárias para lidar com a nova realidade que são os ambientes que nós temos hoje em dia,” adiantou Maria Santos Trigueiros, que considera este livro “um pequeno embrião” para outros investigadores desenvolverem, no futuro, os seus trabalhos em relação a um ensino aprendizagem de “sucesso” no século XXI e no mundo globalizado.

A apresentação do livro foi feita pelos docentes universitários Rosa Santiago e João Delgado.

Publicidade