Líderes do Congresso brasileiro pediram a demissão do secretário, incluindo o presidente da câmara baixa parlamentar Rodrigo Maia.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Ramos, telefonou para líderes do Congresso e avisou que o porta-voz da Presidência, general Rego Barros, deve anunciar a demissão.

Estabelecida a polémica, Roberto Alvim, na sua conta no Facebook, afirmou que a questão não passava de “uma falácia da esquerda” sobre “uma coincidência retórica” entre as duas afirmações.

“A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada”, disse Alvim, no vídeo divulgado na conta oficial da Secretaria de Cultura.

Publicidade