“O secretário-geral apela urgentemente ao Governo sírio e a todas as partes para terem moderação e priorizarem a proteção de civis”, disse o porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric, em comunicado.

António Guterres também pediu que a Rússia, Turquia e Irão — responsáveis pelo cessar-fogo acordado em diversas áreas da Síria – dessem um passo em frente para tentar alcançar uma “solução pacífica” para a situação em Idleb.

Essa província é a última grande fortaleza da oposição síria e foi uma das quatro áreas de distensão acordadas nas negociações realizadas em Astana, no Cazaquistão, por esses três países.

No entanto, a Rússia defendeu hoje a necessidade de atacar a província de Idleb, posição que os seus aliados de Damasco esperavam há várias semanas.

“Este é o último foco de terroristas, que tentam especular sobre o estatuto de zona desmilitarizada (…). Assim, de todos os pontos de vista, é necessário liquidar este ‘furúnculo’”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, após um encontro com o seu homólogo saudita, Adel al-Jubeir.

Lavrov fez estas declarações na terça-feira, depois de a ONU e as potências ocidentais terem alertado para a crise humanitária que pode desencadear uma operação desse tipo.

A província de Idleb, que já foi alvo de ataques aéreos nas últimas semanas, não só acolhe opositores armados, mas um grande número de civis e refugiados de outras províncias do país.

Publicidade