A Sociedade Cabo-verdiana de Autores (Soca) promove de 19 a 28 de Fevereiro a primeira edição da bienal de artes plásticas em Assomada, no concelho de Santa Catarina, segundo o presidente da organização, Daniel Spínola.

A mesma fonte adiantou que 2020 será um ano de “muitas realizações” no domínio da cultura, no País.

Conforme referiu, a Soca já tem programado um conjunto de acções, começando por uma gala Jovens Cantam Morna, no dia 01 de Fevereiro, na Assembleia Nacional, na Cidade da Praia, que tem como objetivo estimular a divulgação da música tradicional cabo-verdiana, neste caso, a Morna, e incentivar o aparecimento de novos talentos.

O evento, indicou, será uma homenagem ao conhecido intérprete Djosinha e contará com representação de vários artistas de todas as ilhas e de jovens a cantar morna.

Ainda para assinalar os 15 anos desta entidade de gestão colectiva, no dia 28 de Fevereiro está previsto a realização de mais uma gala para homenagear alguns associados e para a distribuição dos direitos de cópia privada.

Para além das duas galas, informou que a instituição tem em carteira a edição de mais dois livros dos associados Jorge Tavares e Daniel Rendall, e que está a caminho a edição de mais uma revista Soca Magazine.

Avançou que o concelho de Santa Catarina irá ser palco de uma bienal de artes plásticas, nos dias 19 a 28 de Fevereiro, que será um passo para a criação de uma galeria de belas artes neste município.

Sobre cobrança e distribuição dos direitos de autores, Daniel Spínola informou que vão continuar a fazer todos os esforços para atingirem os seus objetivos, apesar de a situação atual não ser “muito favorável”.

“Continuaremos a fazer o nosso papel de fazer a cobrança e tentar atingir o objetivo de cobrar e de distribuir e, evidentemente, vamos cumprir com a distribuição. Poderia ser melhor, poderíamos conseguir cobrar mais a todos os usuários e fazer melhor distribuição, para além do que já fizemos, mas a situação não nos está favorável”, considerou.

Publicidade