Na terceira final 100% portuguesa, o Sporting voltou a conquistar o título europeu de clubes, depois de 42 anos sem sucesso, período em que apenas disputou uma final, perdida há 30 anos (1988/89) para o Noia, quando a decisão ainda era a duas mãos. Este domingo,no Pavilhão João Rocha, que acolheu a final four da Liga Europeia, os leões bateram o rival FC Porto por 5-2.

Os golos foram apontados por Toni Pérez (6′), Vítor Hugo (10′), Ferrant Font (12′ e 42′), Gonçalo Romero (24′). Reinaldo Garcia tinha empatado a um golo aos 8′. Na segunda parte, o Sporting geriu o tempo e resistiu à pressão do adversário, que reduziu aos 38′, por Gonçalo Alves.

Aos 42′, Ferrant Font deu a ‘sticada’ final nas aspirações dos portistas, devolvendo a vantagem de três golos para os verde e brancos.

Este é o segundo título europeu das modalidades do Sporting nesta época, depois do triunfo no futsal.

“O que me vai na alma é muito divertimento, muita satisfação e muita vontade de ganhar. Guardamos uma recordação fantástica de um trabalho fantástico. Percebemos que o nosso trabalho é recompensado porque colocámos sorrisos na cara das pessoas. Este título europeu vai ficar para sempre gravado na minha memória e no meu coração. É sublime. É qualquer coisa de extraordinário, de fantástico. Por isso é que no final do jogo recolhi ao balneário, porque quis ter um momento só para mim. Este título é para os jogadores”, disse no final o treinador Paulo Freitas.

Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting, reagiu a esta conquista através das redes sociais. “Depois de trazer o hóquei como modalidade oficial, de conquistar a Taça CERS e o Campeonato Nacional, foi a vez de conquistar a Liga Europeia! Valeu a pena investir!!! Esta Glória não tem preço! Parabéns aos heróis: os atletas, staff e equipa técnica. Este é o Grande Sporting Clube de Portugal! Tão Grande quanto os maiores do Mundo!”, escreveu.

A primeira foi há 42 anos

O primeiro troféu dos leões foi conquistado em 1976/77, numa final a duas mãos (formato que só terminou na época 1995/96) frente aos espanhóis do Vilanova (6-0 e 6-3) O FC Porto venceu o ceptro continental em 1985/86 e 1989/90. No formato de jogo único, os dragões estiveram em dez das 23 finais, perdendo-as todas.

Os azuis e brancos são a equipa com mais finais, a seguir ao rei do hóquei em patins Barcelona, que venceu 22 das 26 finais que disputou. Nos últimos 15 anos, o FC Porto perdeu sete finais: três seguidas entre 2004 e 2006; duas em 2013 e 2014; e, novamente, mais duas seguidas: em 2018, no Dragão, frente ao Barcelona; este ano, no João Rocha com o Sporting.

Os outros duelos lusos na final foram ganhos pelo Benfica, nos únicos títulos do clube da Luz: em 2012/13 bateu no prolongamento o FC Porto (6-5); em 2015/16, ganhou à Oliveirense (5-3). O sétimo título português pertence ao Óquei de Barcelos, que em 1990/91 bateu por 4-3 o Monza no prolongamento da segunda mão (3-3). A primeira terminara empatada 4-4.

O primeiro título europeu foi ganho pelo Voltregà, que bateu na final o Monza, em 1965/66.

Palmarés por equipa

Barcelona: 22
Reus: 22
Igualada: 6
Liceo da Corunha: 6
Voltregá: 3
Sporting CP: 2 (1976/77; 2018/19)
SL Benfica: 2 (2012/13; 2015/16)
FC Porto: 2 (1985/86; 1989/90)

Óquei de Barcelos: 1 (1990/91)
Noia: 1
Follonica: 1
Total: 53

Palmarés por país

Espanha: 45
Portugal: 7
Itália: 1

Publicidade