A empresa sueca ultrapassou as expectativas de subscritores pagos para o trimestre, tendo conseguido conquistar mais quatro milhões de clientes nos primeiros três meses do ano – acima das previsões dos analistas, que esperavam um aumento de 3,3 milhões de utilizadores Premium, a versão paga do Spotify, entre janeiro e março.

No último trimestre de 2018, de acordo com os números revelados pelo Spotify na apresentação de resultados, o serviço de streaming tinha conseguido chegar pela primeira vez ao lucro, alicerçado no aumento dos utilizadores Premium e na aposta no mundo dos podcasts. No primeiro trimestre deste ano, o cenário alterou-se, com o Spotify a apresentar um prejuízo de 142 milhões de euros. No último trimestre de 2018, os lucros situavam-se nos 442 milhões de euros.

Ainda assim, apesar de ter conseguido superar as expectativas relativamente ao número de utilizadores Premium para o primeiro trimestre de 2019, o Spotify viu o bolo de utilizadores total ficar abaixo das estimativas. Era esperado que, nesta altura, o serviço de streaming de música tivesse 218,3 milhões de utilizadores ativos e 99,3 milhões de clientes Premium (dados da Bloomberg). O número total de utilizadores situa-se atualmente nos 217 milhões, menos um milhão do que a previsão apontava. Uma larga fatia de utilizadores (117 milhões) continua a utilizar a versão gratuita do serviço, baseada em anúncios.

A aposta no mundo dos podcasts tem sido uma das táticas da empresa sueca, que adquiriu a Gimlet Media e a Anchor, por exemplo. Recentemente, o Spotify anunciou também a aquisição da Parcast, um estúdio de podcasts, por um valor estimado de 100 milhões de dólares.

Ao atingir a marca dos cem milhões de utilizadores pagos, que têm acesso a mais funcionalidades em troca de uma mensalidade de 6,99 euros, o Spotify ultrapassou a concorrência Apple Music. O serviço de streaming de música da empresa norte-americana contava com 56 milhões de subscritores pagos (dados de novembro de 2018, da Statista).

Publicidade