De acordo a Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), a subida do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no antigo território administrado por Portugal deve-se, sobretudo, aos preços da educação (+5,83%) e dos transportes (+5,03%).

Em setembro, o IPC subiu 2,73%, em termos anuais, impulsionado “pelo aumento dos preços das refeições adquiridas fora de casa, da carne de porco fresca e dos automóveis, bem como pela ascensão das rendas de casa”, indicou a DSEC, em comunicado.

Nos nove primeiros meses do ano, o IPC em Macau cresceu 2,77%, em relação ao período homólogo do ano anterior.

Milhões de porcos foram abatidos nos últimos meses um pouco por toda a Ásia devido a um surto de peste suína africana que está a ter efeitos inflacionários a nível mundial.

Só na China, onde a carne de porco é parte essencial da cozinha, mais de um milhão de suínos foram abatidos desde que o primeiro caso de peste foi registado há um ano.

Segundo dados publicados no mês passado pela imprensa estatal chinesa, o valor das importações de carne de porco registou uma subida homóloga de 66%, entre janeiro e agosto.

Publicidade