A taxa de juro de referência de Moçambique a vigorar no mês de junho vai descer de 17,9% para 16,9%, a segunda queda consecutiva, anunciaram a associação de bancos e o banco central.

O corte de 100 pontos base na ‘prime rate’ acontece depois de uma descida de 50 pontos base em maio, numa altura em que os empresários pedem cada vez mais apoios e alívio no custo do dinheiro devido ao impacto da covid-19.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou que o Indicador de Clima Económico (ICE) de Moçambique caiu no mês de abril para o “nível mais baixo nos últimos dez anos”, refletindo o impacto da pandemia.

Moçambique regista um total acumulado de 254 casos de infeção pelo novo coronavírus, com duas mortes e 91 recuperados.

Desde outubro de 2018 que não havia cortes de 100 pontos base ou superiores na ‘prime rate’ moçambicana, que foi criada em junho de 2017, com um valor de 27,75%.

A criação da ‘prime rate’ foi acordada entre o banco central e a Associação Moçambicana de Bancos (AMB) para eliminar a proliferação de taxas de referência no custo do dinheiro.

O objetivo é que todas as operações de crédito sejam baseadas numa taxa única, “acrescida de uma margem (spread), que será adicionada ou subtraída à ‘prime rate’, mediante a análise de risco” de cada contrato, explicam os promotores.

Publicidade