Daviz Simango, líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro partido do parlamento, apelou ao diálogo para o fim da violência armada no Centro do país, alertando o Governo para o perigo que uma reação militar pode causar.

“O caminho tem de ser o diálogo, não tem de haver perseguição”, disse Daviz Simango, em declarações, na terça-feira, na cidade da Beira, capital da província de Sofala, centro de Moçambique.

Daviz Simango, também presidente do município da Beira, insistiu na via do diálogo, quando falava à margem de uma conferência de doadores, organizada no âmbito do projeto de proteção costeira da cidade.

Publicidade