Os trabalhadores angolanos vão hoje juntar-se numa marcha de protesto contra o aumento do custo de vida, a precariedade do emprego e a perda do poder de compra, defendendo 80.000 kwanzas (152 euros) como salário mínimo nacional.

A manifestação foi convocada pela União Nacional dos Trabalhadores Angolanos – Confederação Sindical (UNTA-CS) devendo realizar-se em Luanda e mais cinco províncias angolanas para pedir às autoridades que apliquem políticas de justiça social face ao atual contexto, considerado desfavorável para o trabalhador.

“Faça chuva ou sol, sejamos às centenas ou milhares, a marcha vai sair no sábado, com objetivos de protestar a perda do poder de compra dos salários, não há consumo, a instabilidade crescente do emprego”, segundo o secretário-geral da UNTA-CS, Manuel Viage.

Publicidade