Trovoada em Lisboa, inverdades para António Costa

A Opinião de Isabel de Santiago

0
Santomense, directora do jornal n’Dependenxa; professora convidada em Comunicação em Saúde, Medicina Preventiva e Saúde Pública na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

O povo põe, o povo tira. O povo santomense saiu à rua numa noite assim e tirou-te do poder.

Patrice Trovoada, primeiro-ministro cessante de São Tomé e Príncipe e que nunca visitou oficialmente Portugal, durante os últimos quatro anos, aguarda esta semana encontro com António Costa. Consta que quer informar o primeiro-ministro português sobre a situação do país, segundo informação da agência Lusa.

Este senhor, considerado em São Tomé e Príncipe como falso democrata, desprezou o povo e perseguiu — exonerando todos os dirigentes no primeiro conselho de ministros e, grave, exonerando todos os juízes do Supremo e do Constitucional, compulsivamente, o que gerou manchetes na imprensa internacional.

Mais trovoadas em Lisboa, não. Na entrevista à Lusa, “tinha previsto para esta sexta-feira um encontro com o primeiro-ministro português, o qual foi adiado para o final da próxima semana, porque António Costa participava em Bruxelas na Cimeira Europa-Ásia”. Na verdade, neste Estado democrático, em que se respeita o povo e os emigrantes legalizados, não acreditamos e não se aceita que Costa “proteja” um homem que persegue os portugueses lá residentes, que tanto têm feito pelos mais desfavorecidos, sendo o exemplo mais flagrante o bispo de São Tomé e Príncipe, D. Manuel António. Um promotor de obra social que protege os mais desfavorecidos: com a grande obra da Cáritas Diocesana e a Casa dos Pequeninos, 100% financiada pelo Governo português, e de embaixadores de boa vontade que protegem as crianças retiradas aos pais e/ou abandonadas. O Estado às escuras: é assim que a cidade continua, às escuras. Sem energia elétrica. O mesmo se aplica à casa das crianças. Nem luz elétrica forneceu à Casa dos Pequeninos santomenses.

O bispo, recentemente, em entrevista, contou à Lusa qual tem sido o seu papel e o da Igreja na ajuda às comunidades mais desfavorecidas. E, por isso, teve mais uma ameaça proveniente do ministro dos Negócios Estrangeiros, recado de Patrice. Pois é: a vida tem destas coisas, outro representante de Patrice (que continua a governar a partir de Lisboa), em declarações a uma TV em São Tomé e Príncipe, diz que a Ação Democrática Independente (ADI) já quer negociar até com a Igreja. Está certo. A isto chamam democracia.

Numa visita oficial a São Tomé e Príncipe, Marcelo Rebelo de Sousa, na Assembleia Nacional, mencionou que “aquela era a casa da democracia e que as ditaduras morrem, sempre, por cima dos seus ditadores”.

Diz Patrice: “Depois regressarei a São Tomé e Príncipe.” Nega que tenha fugido do país, como foi divulgado na imprensa e nas redes sociais são-tomenses. “As pessoas especulam muito. Não podemos estar reféns das redes sociais, das fake news e da especulação.” Com ou sem fake ou news, a censura acabou! Não assusta mais ninguém, senhor das trovoadas, que foge à procura de socorro. Recordo, em declarações aos jornais n’Dependenxa e Téla Nón, santomenses, que um ex-deputado do CDS-PP que o “escoltou” no regresso de 2014 o desmentiu e disse que tinha sido um erro a manipulação.

O povo põe, o povo tira. O povo santomense saiu à rua numa noite assim e tirou-te do poder.

Publicidade