“O ciclone Idai atingiu agora uma população que já estava em desespero e extremamente vulnerável. O impacto da tempestade está a multiplicar o seu sofrimento”, afirmou Marcoluigi Corsi, o representante da Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em Moçambique, numa informação enviada à Lusa.

Das cerca de 600 mil pessoas afetadas, a UNICEF estima que 260 mil sejam crianças, estando milhares deslocadas devido ao facto de as suas casas terem sido destruídas.

Publicidade