Em declarações à agência Lusa, Alcides Sakala disse que tudo o que existe até agora são datas indicativas e tudo vai depender dos resultados dos exames de DNA para a identificação dos restos mortais de Jonas Savimbi, morto em 22 de fevereiro de 2002.

“Ainda não chegaram, ainda não nos foram entregues. Então, só em função disto é que deveremos ter um horizonte temporal definitivo”, disse Alcides Sakala.

Segundo o porta-voz da UNITA, restam pouco mais de 15 dias para a data prevista e é ainda necessária a organização e acerto de vários aspetos.

“Todas as datas que existem até este momento são indicativas, tudo vai depender dos resultados. São datas de referência apenas”, disse Alcides Sakala, realçando que não há ideia ainda de quando poderão sair os resultados dos testes, “que depois terão de ser comparados, confirmados, o que ainda leva algum tempo”.

Os restos mortais de Savimbi, que estavam no Luena, província do Moxico, já foram exumados e deverão ser depois depositados no cemitério de Lopitanga, cidade de Andulo, província do Bié, no centro do país.

Publicidade