“Estamos sempre disponíveis para ajudar naquilo que são as nossas capacidades e disponibilidades”, afirmou o presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), Fernando de Almeida.

O INSA e os laboratórios dos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) estão contemplados num protocolo global que envolve os institutos de saúde pública destes estados.

Este acordo, explicou Fernando de Almeida, permite a qualquer momento que sejam solicitados apoios de capacitação e colaboração.

Foi o que aconteceu na Guiné-Bissau, aquando da ameaça do vírus Ébola e, mais recentemente, em São Tomé e Príncipe, com o caso da celulite necrotizante, recordou.

Em relação ao coronavírus, o INSA já recebeu “pedidos de apoio de colaboração” de Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

Este apoio poderá ser dado ao nível da formação dos profissionais para os diagnósticos ou da atualização das metodologias ou na análise, em Portugal, das amostras dos casos suspeitos detetados nesses países.

Fernando de Almeida recordou que a embalagem de produtos biológicos pressupõe uma formação específica que foi dada a estes países por elementos do INSA que, por seu lado, está certificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o fazer.

E acrescentou que o INSA tem capacidade para obter os resultados das amostras algumas horas após estas darem entrada no instituto.

O presidente do INSA sublinha os contactos já recebidos e congratula-se com o facto de estes países estarem preocupados e mostrarem interesse em garantir uma resposta, no caso de esta ser necessária.

“Estamos atentos. Estamos todos a preparar-nos a nível global”, adiantou.

A China elevou hoje para 636 mortos e mais de 31 mil infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena.

Nas últimas 24 horas, registaram-se 73 mortes e 3.143 novos casos.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infeção confirmados em mais de 20 países. Na Europa, o número de casos confirmados chegou quinta-feira a 31, com novas infeções detetadas no Reino Unido, Alemanha e Itália.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou em 30 de janeiro uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

Publicidade