A Web Summit deste ano conta com 41 `startups` africanas, das quais cinco de Angola e uma de Cabo Verde, disse o cofundador Paddy Cosgrave à agência Lusa, adiantando que esta edição será a “maior de sempre”.

A Web Summit, que é considerada uma das maiores cimeiras tecnológicas, realiza-se em Lisboa entre 04 e 07 de novembro.

Questionado sobre o que se pode esperar da edição da Web Summit, Paddy Cosgrave destacou o “maior número de `startups` de sempre”, cerca de 2.100.

Além disso, conta também com “mais `startups` portuguesas” a fazer o `pitch` (breve apresentação de uma empresa de três a cinco minutos) no palco principal “de sempre”, acrescentou.

De África chegam 41 `startups`, das quais “cinco de Angola e uma de Cabo Verde”, acrescentou.

O Egito conta com a presença de 13 `startups`, a Tunísia e o Quénia três cada uma e África do Sul apresenta-se com uma, só para dar alguns exemplos.

A título de curiosidade, a Polónia vai ter este ano 64 `startups` a marcarem presença na Web Summit.

“O número tem vindo a crescer, de mais partes do mundo, está mais diversificado”, afirmou o cofundador do evento.

Paddy Cosgrave esteve no Palácio de Belém na semana passada, no âmbito de um encontro entre o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e os representantes das `startups` que vão marcar presença na Web Summit, e adianta que já se assiste a uma mudança.

“Há três anos todas as `startups` eram portuguesas, os fundadores eram portugueses e todos eram homens”, afirmou.

Na semana passada, quase metade das `startups` eram fundadas por mulheres e “40% não são portuguesas”.

As `startups` “mudaram-se para Portugal da Suíça, França, Alemanha, Dinamarca, Canadá, Estados Unidos, Brasil, Índia, Paquistão” e esta tendência “é fantástica”, salientou.

O evento deste ano “tem mais espaço” e “está fantástico”, disse, adiantando esperar 70.000 pessoas.

Nesta edição, Paddy Cosgrave destacou a maior presença de sempre de “chineses e japoneses” e “menos britânicos”.

Aliás, o Reino Unido “é o único país que baixou”, afirmou, considerando que “o Brexit deve ter alguma coisa a ver com isso”.

Esta “será a melhor Web Summit de sempre”, rematou Cosgrave.

Fundada em 2010 por Paddy Cosgrave e os cofundadores Daire Hickey e David Kelly, a Web Summit é um dos maiores eventos de tecnologia, inovação e empreendedorismo do mundo e evoluiu em menos de seis anos de uma equipa de apenas três pessoas para uma empresa com mais de 150 colaboradores.

A cimeira tecnológica, que nasceu em 2010 na Irlanda, vai manter-se em Lisboa até 2028, depois de, em novembro do ano passado, ter ficado decidida a permanência da conferência em Portugal por mais 10 anos, após uma candidatura com sucesso da cidade de Lisboa.

Publicidade